SOBERANA
Polícia

Estudante de 14 anos mata dois colegas a tiros e deixa quatro feridos dentro de escola, em Goiânia-GO

Um estudante de 14 anos atirou no fim da manhã desta sexta-feira (20) dentro do Colégio Goyases, escola particular de ensino infantil e fundamental, em Goiânia. De acordo com o Corpo de Bombeiros e Polícia Militar, dois estudantes morreram e outros quatro ficaram feridos na unidade, localizada no Conjunto Riviera, bairro de classe média.

O crime ocorreu às 11h50. Testemunhas relataram ao G1 que o adolescente, que cursa o 8º ano e é filho de policiais militares, estava dentro da sala de aula e, no intervalo, tirou da mochila a arma, uma pistola .40, e efetuou os disparos. Em seguida, quando ele se preparava para recarregar o revólver, foi contido por alunos e professores.

Veja quem são os mortos e feridos no ataque
Os estudantes João Vitor Gomes e João Pedro Calembo, cujas idades ainda não foram divulgadas, morreram no local. Já outros quatro alunos, sendo três meninas e um menino, ficaram feridos e foram socorridos.

O suspeito dos disparos está apreendido, segundo confirmou ao G1 o coronel da Polícia Militar Anésio Barbosa da Cruz. “Informações preliminares dão conta que ele estaria sofrendo bullying, se revoltou contra isso, pegou a arma em casa e efetuou os disparos”, disse.
Um aluno de 15 anos, que estava na sala no momento do tiroteio, também contou que o adolescente era vítima de chacotas.

"Ele sofria bullying, o pessoal chamava ele de fedorento, pois não usa desodorante. No intervalo da aula, ele sacou a arma da mochila e começou a atirar. Ele não escolheu alvo. Aí todo mundo saiu correndo", relatou o estudante.

O suspeito foi levado à sede da Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais (Depai) e, em seguida, encaminhado para o IML para os exames de corpo de delito. De acordo com o assessor da gerência do IML, Adolfo Santiago, o estudante foi submetido ao procedimento padrão em situações que envolvem crimes.

"O adolescente passou pelo exame de corpo de delito feito em todos os trazidos pela polícia para ver se há alguma lesão. Ele fez esse exame e foi liberado. Sobre o resultado, se estava ferido ou não, não podemos dar nenhuma informação", disse ao G1.
Após o exame, o adolescente voltou àDepai, onde deve ser ouvido. Os pais dele, que são policiais militares, também devem prestar depoimento na unidade.

O Instituto Médico Legal (IML) informou ao G1 que, até as 15h, os corpos dos dois estudantes não tinham sido levados para a unidade.

Feridos
Os baleados foram socorridos pelo Corpo de Bombeiros e pelo Grupo de Radiopatrulha Aérea (Graer) da Polícia Militar. Três deles estão no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) e um no Hospital de Acidentados.

Por: G1- Goiás

Editor: Nelson Fontes

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.