Homem que matou a tiros professora em 2009 vai a júri em Petrolina, PE

nivaldo_nunes

Nivaldo Nunes era ex-companheiro de Maria das Graças Carvalho.
Entre as acusações estão homicídio por motivo fútil e ocultação de cadáver.

Está sendo julgado na manhã desta sexta-feira (27) em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, Nivaldo Nunes, acusado de ter assassinado a ex-companheira, Maria das Graças Carvalho, no dia 5 de julho de 2009. O corpo da vítima foi encontrado dias após o crime, com cinco tiros na cabeça, enterrado ao lado de uma rodovia no Distrito Industrial. O homem está sendo acusado pela promotoria de homicídio por motivo fútil, com dificuldade de defesa da vítima e por ocultação de cadáver.

Luana, filha da vítima, testemunha no tribunal (Foto: Yuri Matos/G1)Maria das Graças era professora da rede pública de ensino e atuava em Petrolina e na cidade vizinha de Juazeiro. A vítima, segundo informação dos familiares, manteve um relacionamento amoroso com Nivaldo por cerca de oito anos e, após o fim do relacionamento, o autor do crime procurava a ex-companheira com a intenção de reatar a relação. Os parentes de Maria contaram também que, durante o período em que estiveram juntos, Nivaldo agrediu e ameaçou a vítima diversas vezes.

A filha da vítima, Luana Caravalho, foi a primeira testemunha a ser ouvida. Ela relatou o período em que presenciou brigas entre sua mãe e o ex-companheiro e contou sobre o temperamento violento deste. De acordo com a filha, Nivaldo mantinha uma arma de fogo em casa. A prima de Maria das Graças, Cristina Andrade, esteve na audiência e declarou que espera que a justiça seja feita. “A nossa expectativa é de uma segunda vitória, pois a primeira foi ter trazido ele (Nivaldo Nunes) para o banco dos réus. A segunda vitória seria ele ser condenado pelo crime bárbaro que cometeu”, afirmou.

Cristina Andrade, prima de Maria das Graças, acompanha a audiência (Foto: Yuri Matos/G1)O juiz do caso é Sydney Alves Daniel. Segundo o magistrado, durante a semana estão acontecendo julgamentos de casos de violência contra a mulher realizados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a 3ª Semana de Paz em Casa. “É uma forma de a Justiça dar uma resposta a esse número alarmante de casos de violência contra a mulher que existem, sobretudo em Pernambuco. Estamos tentando agilizar os julgamentos para reduzir esses crimes, diminuindo a sensação de impunidade”, disse. A quarta-feira (25) foi o Dia Internacional de Combate à Violência Contra a Mulher.

Na última terça-feira (24), também aconteceu o julgamento do assassinato da residente de Enfermagem da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Rosilene Ramos do Rio, em abril deste ano. O ex-companheiro de Rosilene, José Luiz da Silva Irmão, foi condenado a 21 anos e seis meses de reclusão em regime fechado por ter esfaqueado a estudante próximo ao restaurante da universidade, homicídio considerado de motivo fútil, sem chances de defesa para a vítima e interpretado como feminicídio.

(Via):G1 / Petrolina

sabor do sertao 724x124

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Fechar