Mudança de temperatura provoca problemas respiratórios em crianças em Petrolina, PE

Número de atendimentos dobrou em ambulatório em Petrolina, PE.
Asma é uma das principais doenças desenvolvidas.

Remédios para asma serão disponibilizados de graça em farmácias populares. (Foto: reprodução/TV Tem)

Em Petrolina, no Sertão pernambucano, as constantes oscilações de temperatura neste período do ano dobraram o quadro de atendimentos nos ambulatórios. As variações, além de outros fatores como a poeira, fumaça e ácaros, podem provocar, por exemplo, a asma, uma doença crônica inflamatória que atinge principalmente as crianças.

Os principais sintomas da doença são tosse noturna, cansaço prolongado, dores e chiados no peito. Segundo a pediatra, Helen Brandão, assim que notados esses episódios, os pais devem procurar ajuda médica. “Dependendo da gravidade do caso, pode ser necessário um acompanhamento ambulatorial”, conta.

A pediatra explica que algumas crianças não contam aos pais sobre os sintomas, mas que não é difícil percebê-los. “A tosse é persistente e a dificuldade para falar é constante. Quando a criança está cansada ela fica cortando as frases, em alguns casos ela comenta que sente falta de ar e dores no peito”, afirma.

As crises geralmente começam à noite e quando inicia o período da manhã, quando a temperatura está mais baixa. Uma crise leve a moderada leva um dia para recuperação com o uso de medicamentos. Já as crises mais graves levam em torno de três a cinco dias e, além de medicamentos, as crianças precisam inalar oxigênio no ambulatório por pelo menos três dias. A medicação para o tratamento da asma é feita somente em crianças com crises frequentes e função pulmonar comprometida. Nestes casos são realizados exames laboratoriais e avaliações.

Segundo a pediatra, na cidade os números de atendimentos ambulatoriais feitos diariamente a crianças com este tipo de crise dobraram e atualmente são feitos, em média, seis atendimentos por dia.

Helen reforça ainda que após medicadas, as crianças precisam passar por algumas restrições. “Além do acompanhamento médico, os principais cuidados são evitar a exposição aos agentes da crise que são a fumaça, o cigarro e poeira. Os pais também precisam ficar atentos à limpeza ambiental onde a criança vive. A casa deve ser mantida sempre limpa”, conta.

Outras doenças

Além da asma, outras doenças também são frequentes neste período do ano. A pediantra ressalta que algumas delas podem ser crônicas. “É importante reforçar que tem cansaço que não é asma e sim bronquite, laringite ou episódios isolados. A asma é uma doença crônica, então a orientação para controle de crises mais frequentes é o cuidado ambiental e a medicação correta”, afirma.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Fechar