MST ocupa agências bancárias e acampa na sede do Incra em Petrolina

Integrantes ocuparam a Caixa Econômica Federal e o Banco do Nordeste.
Reunião irá definir o fim ou a continuação das manifestações na cidade.

img-20150310-wa0016

Um grupo de manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), ocupou as agências da Caixa Econômica Federal e do Bando do Nordeste, nesta terça-feira (10), na Zona Central de Petrolina. A ação faz parte de uma mobilização nacional, realizada em diversas cidades do país, que integra a Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Camponesas, que criticam o modelo de agronegócio brasileiro.

Depois da primeira manifestação, os integrantes do grupo seguiram para a sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), no bairro Vila Mocó, onde permanecem acampados, utilizando o local como ponto de apoio para alimentação e descanso.

Segundo organizadores da manifestação na região, cerca de 300 pessoas aderiram ao movimento. No final da tarde os dirigentes regionais do MST se reuniram com representantes do Banco do Nordeste, da Caixa Econômica Federal, do Incra e da Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco (Codevasf). Os assuntos discutidos na reunião vão definir o fim ou a continuação das manifestações na cidade.

MST acampa na sede do Incra em Petrolina (Foto: Paulo Ricardo Sobral/ TV Grande Rio)
MST acampa na sede do Incra em Petrolina (Foto: Paulo Ricardo Sobral)

Para o final da tarde está agendada uma reunião com representantes de instituições ligadas ao agronegócio. Os manifestantes estão exigindo agilidade no Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR) e criticam o Programa Nacional de Agricultura Familiar (Pronaf), que não contempla as necessidades das famílias assentadas.

Em nota a Superintendência do Incra do Médio São Francisco em Petrolina, informou que devido a ocupação do prédio pelo MST, o atendimento ao público foi suspenso. Os serviços só voltarão ao normal após a desocupação da sede. A superintendência ressaltou que até o momento não foi apresentada nenhuma pauta para justificar a ocupação.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Fechar