Com o verão, infestação do Aedes aegypti preocupa petrolinenses

Em 2014 foram notificados 1.691 casos de dengue e 725 confirmados.
Gerente de Endemias diz que período crítico é de janeiro a maio.

Ações preventivas contra a dengue em Petrolina, PE (Foto: Reprodução/ TV Grande Rio)

A chegada do verão traz a combinação calor e chuva para a cidade de Petrolina, no Sertão de Pernambuco, o que contribui para a proliferação do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue e da febre chikungunya. Portanto, a época é de alerta para a Secretaria de Saúde do Munícipio que propõe ações preventivas para manter a população segura.

Em 2014, foram 1.691 casos notificados de dengue registrados na cidade. Desses, 725 foram confirmados, além de um caso chikungunya. O gerente de endemias da Secretaria de Saúde de Petrolina, Jailson Luis de Araújo, explica que o verão é um período delicado. “Entre janeiro até maio estamos no período crítico, culminando no período de abril e maio que é o o nosso pico de casos de dengue e de infestação do mosquito Aedes aegypti”, esclarece.

Para prevenir a infestação do mosquito, os agentes fazem um trabalho porta a porta das casas todos os dias. “A periodicidade da visita é de 40 a 60 dias que é justamente o período de durabilidade do avicida que nós utilizamos. Depois, o agente volta para fazer uma nova visita e aplicar o produto contra o mosquito”, explica Jailson.

A dona de casa Maria das Graças revela que nunca teve dengue, porque toma cuidados para evitar que o mosquito apareça em locais da sua residência. “Evito ao máximo, não tenho caixa d´água descoberta, não deixo nada que possa juntar água e quando é época de chuvas, eu esvazio, puxo tudo e não fica nada aqui dentro”.

Já Maria de Lourdes Gomes conta que após ter a doença não deixa água acumular nas plantas. “Não deixo planta com água, nem deixo água reservada. Todos os dias eu tiro a água, limpo e lavo. Ficou a lição”, garante.

 

(Fonte/Texto):G1

 

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Fechar